terça-feira, 12 de abril de 2011

Entre o mar e a literatura

Hoje na aula, um dos meus professores de literatura leu um poema pra nós. É um poema de Carlos Drummond  de Andrade. Que o cara é fera, acho que todos já sabíamos, mas aquela poesia eu gostei de verdade, e o modo com que foi contada... Achei ótima e muito verdadeira. Deixo aqui a poesia, para quem gosta, ler e, quem sabe, refletir. Chama-se Consolo na Praia e me faz lembrar de quando estamos sentados na areia, sentindo o vento bater no rosto, admirando o mar. Existe coisa mais relaxante do que o mar? Aquele barulho gostoso de água, as ondas indo e vindo, os pássaros à beira e, se tivermos sorte, como eu, graças a Deus, já tive, ver uns golfinhos ou baleias nadando ao fundo exibindo suas nadadeiras. A natureza, simples e pura, ali, na nossa frente. E então, o poema vem a calhar. Queria eu ter a proeza de ser poeta.



Consolo na Praia

"Vamos, não chores.
A infância está perdida.
A mocidade está perdida.
Mas a vida não se perdeu.

O primeiro amor passou.
O segundo amor passou.
O terceiro amor passou.
Mas o coração continua.

Perdeste o melhor amigo.
Não tentaste qualquer viagem.
Não possuis carro, navio, terra.
Mas tens um cão.

Algumas palavras duras,
em voz mansa, te golpearam.
Nunca, nunca cicatrizam.
Mas, e o humor?

A injustiça não se resolve.
À sombra do mundo errado
murmuraste um protesto tímido.
Mas virão outros.

Tudo somado, devias
precipitar-te, de vez, nas águas.
Estás nu na areia, no vento...
Dorme, meu filho."
Carlos Drummond de Andrade


Califórnia, Fev de 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget