quarta-feira, 29 de junho de 2011

Descubra a sua Personalidade

Ahh, eu admito, adoro uma leitura de personalidade, um teste. Hoje, enquanto dava uma olhada no site da Super Interessante, eu vi uma matéria sobre Personalidade e, ligada a esta, tantas outras. Daí fiz o serviço completo, li tudo e me identifiquei com o que falaram sobre o que seria a minha personalidade. Clique aqui para descobrir um pouco mais sobre você mesmo.

O que descobri, ou confirmei, sobre a minha personalidade em uma das matérias:
-  Não tem atitudes compulsivas – como gastar os tubos no cartão de crédito quando sai às compras. E liga para o que as pessoas pensam sobre você. – Concordo com tudo, ou quase, pois umazinha vez me passei nas compras.

Este testezinho é bem interessante, acho que não errou muito também não. Recomendo que deem uma passada no site da Super e deem uma olhada nessas matérias. Para fazer o teste abaixo, clique aqui. 



domingo, 26 de junho de 2011

O Fim de Uma Era: Adeus Orkut!

Foi rápido, foi breve, quando eu vi, já tinha passado. Veio assim como um espirro, eu estava ali, do nada senti a necessidade e BUM, tudo aconteceu e logo passou, logo virou passado. Sentir, sim, eu senti primeiro uma necessidade enorme de fazê-lo, depois senti mais quando o fiz, e, por final, um alivio, sensação boa de liberdade.
O que aconteceu afinal de contas, eu deletei o meu Orkut. Sim, eu cometi o tal do Orkuticidio... foi difícil, mas a ideias já estava na minha mente há muito tempo. Primeiramente eu entrei nele, dei uma olhada nas minhas fotos, nos comentários. Há tanta história ali, tantos comentários legais dos amigos queridos, comentários que marcam os momentos da minha vida em que foram deixados. Depois eu copiei todos os Depoimentos, o primeiro deles foi deixado pela minha tia Anita no dia 3 de Junho de 2005, o último, no dia 13 de Maio deste ano por uma colega. Foram então, quase seis anos de depoimentos sendo deixados para mim e de mim para os outros.
O Orkut teve as suas fases, fase de coleção de amigos, coleção de comunidades, escrever e responder a depoimentos, no inicio falávamos daquela pessoa, o quanto gostávamos dela ou o que ela era para nós. Depois veio a fase de competir quem tinha o depoimento no topo da lista de depoimentos dos amigos "o topo é meu!!", ou mandar os tais com informações pessoais, fofocas, esses sempre começaram com a seguinte frase “NÃO ACEITA!!!!”.  Melhor nem falar sobre WebNovelas e jogos de comunidades. Depois vieram os extras, os joguinhos como o JokeBox e BodyPoke, todos se “pokeando”, tendo os seus bonequinhos personalizados, mudando de roupa conforme a moda e a estação do ano, junto com isso vieram os comentários nas fotos, grande diversão da galera por um longo tempo. Essas foram as últimas fases que eu peguei, migrei totalmente para o Facebook em 2010, já o usava desde 2008, agora é só o Face. Quando o Orkut começou a imitar o face colocando aqueles outros jogo tipo “Fazendinha Feliz”  e afins eu já nem o utilizava mais, só postava fotos das minhas viagens para o pessoal no Brasil poder ver.
Hoje então eu dei adeus para o meu companheiro de seis anos, ainda lembro de quem me mandou o convite por e-mail, pessoa que já não é minha amiga ali há anos. Tenho como objetivo me desligar um pouco do computador e me ligar mais, digamos assim, à vida real, me ligar mais aos estudos e aos esportes, quero voltar a praticar vôlei e voltei a correr.O face eu realmente não deleto por n motivos, um deles, meus contatos internacionais que estão somente lá.
 Beijo, Orkut, te cuida e fica com os que ficam contigo. Admito que sentirei falta dos teus dias de glória. 


Minhas outras vidas

Eu olho para aquelas fotos antigas. Não parece que eu tinha passado, mas parece que aquilo foi outra, outras, vidas. Até onde a minha lembrança chega,  nas minhas fotos de bebe não vejo nada além de um tempo que me dizem ter acontecido, fatos que vivi mas não estão presentes nas minhas lembranças, estes não contam.
Quando vejo as fotos da praia, por exemplo, era tudo uma realidade tão diferente. Eu era diferente, obviamente, pequena, gorducha, cabelinhos lisos e ruivos, com franjinha. Eu não sabia ler, mas sabia cantar as músicas dos Mamonas Assassinas, não entendia os significados daqueles termos estranhos como “sabão crá-crá não deixa o cabelo do saco enrolar”, eu realmente imaginada um monte de cabelo dentro de um saco plástico. Mas parece que aquilo foi outra vida, de tão distante que está.
Assim como algo mais recente, minha viagem pros States por exemplo, aquilo é tudo muito estranho pois parece que não passou de um sonho ou de algo muito muito muito distante (além de todos esses quilômetros que separam Porto Alegre de Washington), como se fosse mesmo, uma outra vida. Algo que vivi e não me pertence mais, não faz mais parte de mim, uma realidade contrária.
Não sei se mais alguém pensa como eu, mas é a impressão que eu tenho. Como diria o meu amigo JP, I am traveling in the Mayonnaise... Só estou pondo em palavras um pouco das minhas bizarrices.. hehe

sábado, 25 de junho de 2011

Coisa de FacebookLovers

Vi a seguinte brincadeira no Facebook e achei interessante. Várias pessoas a estavam fazendo, decidi fazer também, mas diferentemente deles, decidi postar no blog e não no face. 

Instruções:
Usando nomes de músicas apenas de um artista ou grupo, habilmente responder a essas perguntas. Passe para 20 pessoas que você gosta e me inclua. Você não pode usar a banda/artista que eu usei. Tente não repetir os títulos das canções. É muito mais difícil do que você imagina! Responda como "minha vida de acordo com (nome da banda)"

Escolha o seu Artista: Avril Lavigne
Você é homem ou mulher: One of those girls
Descreva-se: Ironic 
Como você se sente: The Best Damn Thing  (:P)
Descreva o local onde você vive atualmente: Near to the Heart of God
Se você pudesse ir a qualquer lugar, onde você iria: Runaway
Sua Forma de Transporte favorita:  Airplanes
Seu melhor amigo: Sk8er Boy
Você e seu melhor amigo são: 4 real
Qual é o clima:  Hot (hahaha)
Hora do dia favorita: No one needs to know
Se sua vida fosse um programa de TV, do que seria chamado:  Black Star
O que é vida para você:  Complicated
Você sorri quando: I am with you
Você chora quando: When You’re Gonne
Seu relacionamento: Who Knows
Qual é o melhor conselho que você tem pra dar:  Keep Holding On
Pensamento do Dia: Nobody's Home
Meu lema: I Always Get What I want

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Pela Janela

Você já parou pra pensar o que o seu vizinho faz neste exato momento? 

Eu, que moro em apartamento e, da minha janela vejo tantas outras, sempre penso nisso. Neste momento estou sentada na sacada a imaginar o que se passa no apartamento de parede vermelha do prédio à minha direita, vejo sombras para lá e para cá. Tenho especial atração por aquele apartamento, não sei se porque ali tem uma parede de cor vibrante, o que o diferencia dos outros, ou porque é um dos que sempre está com as luzes acesas e com movimento dentro.

Fico a imaginar quantos dos meus vizinhos se sentem sozinhos hoje, assim como eu, ou quantos deles só pensam em ter um minuto de paz e silêncio. Quantos estudam, quantos trabalham ou estão na busca de um emprego. Quantos estão felizes ou tristes. E quantos será, que alguma vez já olharam pela janela e ficaram a pensar sobre seus vizinhos, consequentemente, sobre mim também. Será que já me viram aqui?

Está frio, mas, enrolada na coberta, eu continuo aqui a observar os outros. Quantas crianças será que não estão chorando neste exato momento? Será que algum casal está a brigar? Será que algum está a fazer as pazes? Alguma mãe solteira assistindo a novela e mandando o filho ir para o banho sem grande sucesso? Alguém como eu, que só está a escrever sobre a vida alheia, já que muito também não tem a escrever sobre si? Ou a ler sobre o mundo alheio. Quantos dos meus vizinhos será que sabem o meu nome? Ou já me viram na rua?

A vida continua e a gente esquece esses pensamentos, esquecemos dos nossos vizinhos, das nossas companhias silenciosas (ou não tanto) de todas as noites. Só vemos as luzes acesas, a tv ligada, sombras nas paredes. Entretanto, não os conhecemos, não sabemos nada deles, nem eles sobre nós, se estão felizes ou tristes, isso pouco nos importa na verdade, são só estranhos que habitam o mesmo lugar que nós. 

Será?

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Um Post Pessoal

Me perguntaram em um recado aqui no blog como anda a vidinha pós au pair, olha, vai bem, o que posso dizer? Voltei para a realidade? Não, pois a vida que tenho hoje não tem nada a ver com a do primeiro semestre de 2009, tanto que há muitas pessoas que não vejo desde então e coisas que não voltei a fazer. Eu não conseguia imaginar a vida de volta ao Brasil, é tudo muito estranho, e no primeiro mês eu ainda tinha a sensação de que eu poderia voltar para a vida que levava nos EUA a qualquer momento e de que nada mudaria, hoje não. Não me vejo de volta lá, até porque agora eles também estão tendo uma realidade e rotina diferentes, o que eu vivi lá já não existe mais pra nenhuma das partes, eu nunca voltaria a ter a mesma rotina que tinha. Aquele desespero de querer ter os meus amigos aqui comigo também já passou, também já conheci pessoas interessantes aqui e me acostumei a não mais começar a preparar o final de semana na segunda-feira. Acredito já ter começado a trilhar minha, digamos que, nova história por aqui. Então, sei lá, apesar das recaídas, consumistas ou emocionais, eu vou bem, estudando muito e dando umas aulinhas de inglês. Levando a vida devagar preparando o terreno para um futuro melhor que o meu passado. Não, não penso em voltar, só para visitar, matar a saudade dos meus queridos amigos e host family. Sempre penso em dar aquela passadinha básica por DC e São Francisco onde tenho minhas amizades mais especiais e, não posso mentir, também voltar com uma mala cheeeia de coisinhas básicas e essenciais para a minha pessoa.

Fotinhos para ilustrar. =D

Revendo o bom e velho povinho dos tempos de colégio.

aproveitando as amigas no dia dos namorados.

Eu e a minha progenitora no meu aniversário.

Num dos lugares favoritos da minha infância, e praticamente revivendo-a com a minha irmã.

Aproveitando o outro lado de família, papis e mano.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Porão das Desilusões

O termo não é meu, quem falou em Porão das Desilusões foi o meu professor, também colunista do jornal Zero Hora, Cláudio Moreno. Ele, ainda na aula, comentou brevemente sobre as desilusões que sofremos ao longo da vida, começando lá na infância com a grande e inevitável descoberta sobre o Papai Noel até as desilusões que ainda temos ao descobrir verdades.
Após o termino da aula eu fiquei pensando nas desilusões que sofremos e nas coisas que sempre cremos ser de uma maneira, mas aí descobrimos que não é bem por aí. Por exemplo, quando eu era criança, Guaraná e Refrigerante eram, simplesmente, dois nomes diferentes para uma mesma coisa, até que um dia fiquei muito confusa ao descobrir a verdade. Também podemos pensar em desilusões amorosas, que ocorrem ao descobrirmos que tudo aquilo que pensamos ser, na verdade não é, ou talvez desilusão profissional, que pode acontecer ao descobrirmos que  não gostamos do que fazemos. 
Criei então, uma pequena lista das crenças que eu tenho guardadas no meu porão das desilusões.

1 – Até uns 8 anos de idade eu tinha criado o meu próprio mapa mundi, onde Israel (lugar tão comentado nas aulas de Religião da professora Vanda) ficava ali onde hoje eu sei que fica o estado da Flórida. Deixei o mapa emoldurado, pregado atrás da porta do porão.
2 – Guardo também uma miniatura da Xuxa, paquitas e outros personagens que passavam na televisão no início dos anos 90, pois pra mim aquelas pessoas todas não passavam de miniaturas humanas que moravam dentro daquela caixa.
3 – Minha infância também está lá, pois um dia cri que ela era infinita.
4 – Assombrando o porão, está o Fantasma do pelo duro, criatura criada por algum primo muito sem graça da minha mãe para nos assustar quando ainda eramos crianças. Deu certo.
5 – As chiquititas estão lá ocupando o seu espaço. Lembro-me de escrever uma carta para elas, junto com uma amiga de infância, contando para a Carolina as maldades da Marian.
6 – O príncipe encantado tem o seu espaço, fazendo charme para as chiquititas e, com seu heroísmo, enfrentando o fantasma para resgatar a princesa da torre.
7- E para fechar uma grande coleção de crenças, estão os animais místicos, como Unicórnios e cavalos alados. 



E por aí vai se criando um mundo cheio de imaginação e desverdades. E você, já pensou no que nem no seu próprio porão das desilusões? 

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Só para as Solteiras!

Agora que o dia dos namorados passou e as solteiras já começaram suas dietas nesta Segunda-Feira (depois de tanto chocolate), deixo, em homenagem ao dia de Santo Antônio (hoje, 13 de junho), uma oração bem forte para a mulherada que está na busca do cara perfeito.

São Baltazar, eu quero casar.
São Benedito, com um cara bonito.
São Benevolente, que seja decente.
São Luiz, que me faça feliz. 
São Manoel, que seja fiel.
São Edmundo, que não seja de todo mundo.
São Tiago, que não seja viado.
São Irineu, que ele seja só meu.
São Virtuoso, que ele seja gostoso.
São Raimundo, que não seja vagabundo.
São Benjamim, que ele goste de mim.
São Vicente, que ele seja quente.
Santa Guiomar, que ele saiba me amar.
São Pedro, que ele me ame sem medo.
São Gabriel, que ele seja doce como mel.
São Simão, que ele não seja um bundão. 
São Malaquias, que ele me amo todos os dias.
Santo Agostinho, que ele faça direitinho.
São José, que "ele" esteja sempre de pé.
São Nicolau, que seja grande o seu... 


                                           


domingo, 12 de junho de 2011

Dica do Dia: Croasonho

Há uns dias atrás vi postagens no facebook sobre o mais novo point de São Leopoldo, o Croasonho. O restaurante não é novo, mas a franquia em São Léo ainda tem cheirinho de tinta fresca. Quando me dei conta, todos estavam falando sobre o lugar, então claro, fui verificar o que, afinal de contas, há de tão bom lá.

Sim, eu descobri o que há de tão bom. Tudo! Cafés gostosos, sobremesas de dar água na boca, e claro, croissants maravilhosos com dezenas de opções diferentes para recheio, doce ou salgado. Posso dizer que foi o melhor croissant que já comi, seguido pelo amanteigado da Starbucks com creamcheese, que já não me pertence mais.

O lugar é muito bonitinho e sorte que entramos pouquinhos minutos depois de abrir, pois logo lotou e uma enorme fila se formou, pegamos uma das últimas mesas vazias. Um novo point da cidade, com certeza. E o melhor, me lembra muito os lugares onde eu ia la nos States, aconchegante e muito bom. Quem ainda não conhece, deixo a dica. O restaurante Croasonho é novo na minha humilde cidade, mas já é bem conhecido pelo resto do Brasil. Clique aqui para mais informações.

Boa Semana a todos!

Quem tem medo do escuro?






Nessa noite algo de estranho aconteceu. Acordei no meio da madrugada, após um sonho meio louco e não dormi mais, me sentia mal, estranho mesmo. Então, assim como fazia há mais de 10 anos atrás, rumei para a cama da mamãe. Ela nem acreditou que eu estava fazendo aquilo, levando comigo, inclusive, o meu “selinho”, companheiro de vida. Acho que todos temos as nossas recaídas de vez em quando.

sábado, 11 de junho de 2011

Dia dos Namorados

Que datazinha bem infeliz essa. Os solteiros compram chocolates, fazem promessas, vão a loucura, se trancam em casa. Os casais gastam, gastam muito, há aquela pressão em cima do homem que não pode errar na hora do presente e, claro, sem esquecer das rosas, que não podem ser margaridas ou lírios.
São Leopoldo está uma verdadeira loucura neste sábado, um dia antes do “grande” dia. O shopping lotado, homens e mulheres cheios de sacolas. Dentro do Zaffari, todos os homens (comprometidos) têm flores no carrinho, todas as mulheres (solteiras) escolhem seus chocolates favoritos, companheiros fiéis do dia 12 de junho. Chega a ser engraçado observar essas pessoas.
No meu curso há muita pressão em cima da data, mas na verdade, há lembretes do dia dos namorados em todos os cantos. Acho que algumas pessoas se sentem até desconfortáveis com isso e as meninas sofrem mais, sentem mais necessidade de ter alguém ao seu lado ou, em alguns casos, só para dizer que têm. Os homens, acredito eu, já nem ligam para a data, ainda devem agradecer a economia que fazem quando solteiros, já que as joalherias então lotadas hoje.
Eu não achei nenhuma pesquisa, mas acredito que o dia dos namorados fique em terceiro lugar entre as datas em que as pessoas mais gastam. Natal, dia das mães e, em seguida, 12 de junho, um absurdo. Desejo a todos um feliz dia dos namorados, e aos solteiros, não se prendam a data, aproveitem o domingo que promete ser um dia lindo, pelo menos aqui no sul. =)

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Aventura Selvagem

É um jeito que eu me veria no futuro. A lá Richard Rasmussen, biólogo que tem seu próprio reality show, onde viaja por aí mostrando curiosidades do mundo animal. Descobri o programa em abril, pouco depois de voltar dos Estados Unidos, e isso foi um alívio para mim, que sempre assistia a programas ligados à biologia na Directv, aqui complica um pouco com as poucas opções da TV aberta. Tenho que elogiar o SBT pela boa escolha na compra do programa Aventura Selvagem.
Não posso dizer que sou uma pessoa fiel ao horário dos programas, qualquer um de televisão. Programas bons eu normalmente descubro sem querer, mudando o canal na hora do futebol no Jornal Nacional foi como parei no programa do Richard nessa quinta, que sorte heim. Meu host nos EUA gravava uns programas muito interessantes do gênero, e lá eu os assistia de vez em quando, mas admito que no início é um tipo de documentário complicado para uma pessoa que ainda não domina 100% o inglês, mas não por isso, menos interessante.
Biologia é algo que eu “namoro” há muito tempo. A ideia de fazer um curso na faculdade ligado ao assunto sempre me foi muito tentador, Biologia Marinha, Engenharia Ambiental, florestal, ou a pura e simples Biologia. Mas ser professora não me atrai tanto assim e cursar biologia para e conseguir um emprego de biólogo também não é nada fácil. Agora, ter uma vida como a do Richard, deve ser algo mais do que bom, vou começar a acompanhar o programa sempre que possível, o cara é muito louco e é tão obvio que ele ama o que faz que chega a dar aquela pontinha de inveja, afinal, nem todos podemos fazer o que amamos, ou sequer sabemos do que gostamos.
O programa Aventura Selvagem passa no SBT aos sábados, as 21:30. Eu recomendo e também é legal dar uma olhadinha no blog dele (clique aqui). Como sou meio distante da televisão, adicionei o cara no Facebook, nenhuma maneira melhor do que essa pra curtir os trabalhos loucos dele. Já o vi encantando uma Anta, abraçando tubarão, jacaré, espirrando veneno de sapo(aliás, muito interessante, parece que explodiram uma espinha gigante da cara do pobre bicho), é uma loucura. Fico com gostinho de "quero mais" no final do documentário dele e com aquela vontadezinha de “também quero” cada vez que o vejo tão próximo dos animais. 
É isso, beijos, beijos, tem um vídeo dele aí em baixo, espero que gostem! 

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Mais um dia, de novo...

É legal o jeito que as coisas são. As vezes estamos nos sentindo meio pra baixo e aí algo acontece e nos faz rir de verdade, as vezes temos uma chance de nos sentir uteis quando estamos pra baixo e com aquele sentimento de que ninguém nos da real valor.
Tenho prestado atenção nestes acontecimentos, já que tanto tempo tenho para pensar entre um horário de estudo e uma aula. Ontem eu estava me sentindo sobrecarregada, muito estudo, desentendimento com amigos e ainda estava sozinha em casa. Decidi ir caminhar, dei a minha volta usual e decidi dar uma segunda, ao passar pelos fundos de uma escola, dois alunos do internato começaram a falar comigo, eu não respondi, mas achei muito engraçado as cantadas em sotaque colonês dos meninos.
Hoje cedo acordei com aquele sentimento preguiçoso de mais uma segunda-feira, mais uma semana e  faz muito frio. Saí uns minutinhos mais cedo, já mais bem disposta, mas pensando que todo dia era igual, mesma rotina de manhã cedo, pegar o trem, ir pra aula, termina a aula, pegar o trem de novo... aquela coisa. Ao chegar na estação tive uma prova de que os dias são diferentes, basta a gente querer ver essa diferença. O cara que estava na minha frente na fila da compra de ticket tinha uma lagartixa nas costas, uma meio filhote, escurinha, ali, olhando pra nós, provavelmente bem perdida. Eu não sabia se comentava com ele ou deixava quieto, antes de eu decidir ele saiu e só o vi de novo dentro do trem, a coitadinha ainda nas costas dele, mas aí eu já tinha decidido ficar quieta. Me imaginei cutucando ele e dizendo: Com licença, senhor, tu tens uma lagartixa nas costas”... Agora imagino o que aconteceu com a coitadinha.
Acho que todo dia tem o seu marco, seja um momento assim pequeno e insignificante, como o da lagartixa, ou algo mais importante, mais relevante para a nossa vida. Eu não acredito que a vida de alguém possa ser tão vazia e presa àquela rotina que nada de diferente aconteça, acho que a diferença do nosso dia está ali, só quem precisa olhar melhor ao redor somos nós mesmos.


sexta-feira, 3 de junho de 2011

Aluga-se Desesperados

A que ponto chega o desespero das pessoas quando a tão temida data do dia dos namorados se aproxima? Faz um mês que eu só ouço falar em dia dos namorados, e o pior, quem mais fala são os solteiros. Agora estão todos com a piada de não precisar passar o dia dos namorados com o namorado pois também não passamos o dia do Índio com um índio ou dia da árvore com uma árvore. Algumas pessoas postaram essas plaquinhas no Facebook e isso chamou muito a minha atenção. Então eu entrei pessoalmente no BlogPop e dei uma olhada na ideia dos caras. Bem interessante e umas bem criativas, me chamem de mala, mas esse não é o tipo de humor que eu curto the most. Vou postar umas aqui e, quem tiver curiosidade e quiser ver todas, pode dar uma passada no BlogPop, tem outras coisas interessantes nesse site também, eu não o conhecia e achei bem legal.



Essa só falta oferecer dote.

Príncipe Encantado entrou na brincadeira?


Ocorreu um erro neste gadget