terça-feira, 14 de junho de 2011

Porão das Desilusões

O termo não é meu, quem falou em Porão das Desilusões foi o meu professor, também colunista do jornal Zero Hora, Cláudio Moreno. Ele, ainda na aula, comentou brevemente sobre as desilusões que sofremos ao longo da vida, começando lá na infância com a grande e inevitável descoberta sobre o Papai Noel até as desilusões que ainda temos ao descobrir verdades.
Após o termino da aula eu fiquei pensando nas desilusões que sofremos e nas coisas que sempre cremos ser de uma maneira, mas aí descobrimos que não é bem por aí. Por exemplo, quando eu era criança, Guaraná e Refrigerante eram, simplesmente, dois nomes diferentes para uma mesma coisa, até que um dia fiquei muito confusa ao descobrir a verdade. Também podemos pensar em desilusões amorosas, que ocorrem ao descobrirmos que tudo aquilo que pensamos ser, na verdade não é, ou talvez desilusão profissional, que pode acontecer ao descobrirmos que  não gostamos do que fazemos. 
Criei então, uma pequena lista das crenças que eu tenho guardadas no meu porão das desilusões.

1 – Até uns 8 anos de idade eu tinha criado o meu próprio mapa mundi, onde Israel (lugar tão comentado nas aulas de Religião da professora Vanda) ficava ali onde hoje eu sei que fica o estado da Flórida. Deixei o mapa emoldurado, pregado atrás da porta do porão.
2 – Guardo também uma miniatura da Xuxa, paquitas e outros personagens que passavam na televisão no início dos anos 90, pois pra mim aquelas pessoas todas não passavam de miniaturas humanas que moravam dentro daquela caixa.
3 – Minha infância também está lá, pois um dia cri que ela era infinita.
4 – Assombrando o porão, está o Fantasma do pelo duro, criatura criada por algum primo muito sem graça da minha mãe para nos assustar quando ainda eramos crianças. Deu certo.
5 – As chiquititas estão lá ocupando o seu espaço. Lembro-me de escrever uma carta para elas, junto com uma amiga de infância, contando para a Carolina as maldades da Marian.
6 – O príncipe encantado tem o seu espaço, fazendo charme para as chiquititas e, com seu heroísmo, enfrentando o fantasma para resgatar a princesa da torre.
7- E para fechar uma grande coleção de crenças, estão os animais místicos, como Unicórnios e cavalos alados. 



E por aí vai se criando um mundo cheio de imaginação e desverdades. E você, já pensou no que nem no seu próprio porão das desilusões? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget